10 de julho de 2011

você é a saudade que eu gosto de ter

Eu lembro de uma vez que você me disse que quem beija de olhos abertos não ama de verdade, mas eu acho que consigo entender as pessoas que abrem os olhos durante um beijo. É que ás vezes o momento é tão mágico, a coisa tão inacreditável e tudo tão bonito que a gente abre os olhos um pouquinho só para ter certeza de que aquilo está acontecendo de verdade. Ás vezes a gente só quer ter certeza de que é real, de que se realizou. Eu abri só daquela vez e foi para ter certeza de que aquilo tudo era lindo da mesma forma que parecia ser na parte de dentro do meu peito. Todos os outros beijos que dei foram de olhos fechados porque eu queria mostrar que eu amava de verdade. A gente faz cada coisa para mostrar que ama de verdade, não é?

2 comentários:

Jéssica Costa disse...

Pois é, às vezes a realidade é tão inacreditável que só acreditamos vendo. Bonito texto.

Felipe Braga disse...

Letícia, eu percebo uma coisa nos seus textos: todos eles têm uma oralidade incrível. Sim, eu sei que todos os textos têm. Mas os seus são diferentes. Eu consigo até imaginar você falando, ouvir sua voz. E você parece falar baixo, olhando nos olhos.

Lindo, Letícia!

Beijos.