31 de janeiro de 2013

Raspas e restos me interessam

Você com certeza está do outro lado da sala com aquele seu jeito de fazer graça. Eu não sei porque apareci, sabia? Talvez tenha sido para matar a saudade de te olhar, quem sabe? Segundo Guimarães Rosa "qualquer amor já é um pouquinho de saúde e um descanso na loucura". Não sei se qualquer amor é isso, mas deve ter algum fundo de verdade.

Em um universo paralelo e imaginário, você ainda está no meu mundo. Você ainda está existindo com todas aquelas possibilidades para nós dois. Eu posso voltar com a bebida e entrelaçar as minhas mãos nas suas, posso sentar na mesa e encostar a cabeça no seu ombro, porque o-dia-foi-pesado-e-no-meio-da festa-eu-quero-descansar-em-você. A gente pode até se jogar no sofá da sala e ficar falando banalidades engraçadas ou filosofando sobre o mundo enquanto voltamos para casa. Sonhar é permitido aqui, e faz um bem danado.

Por isso, eu espero que você esteja do outro lado da sala com aquele seu jeito de fazer graça. Eu quero te ver colocando a mão no rosto quando vai analisar alguma coisa e fazendo aquele segundo de silêncio antes de questionar, ou até mesmo, concordar com ela. Eu quero olhar você contando uma das mil e uma histórias que coleciona ou só te ver sorrindo enquanto os outros falam, principalmente porque contei pra todo mundo sobre você sorrindo, e sei que os mais chegados te adoram muito mais assim. A realidade é permitida aqui, e esse instante faz um bem danado.

Talvez você me olhe por um tempo, talvez eu te olhe por outro tanto de tempo. É o que eu preciso e foi por isso que apareci, na verdade foi só por esses detalhes que eu vim aqui. Descobri que os pequenos pedaços ou até mesmo aquelas coisas que a gente ainda pode se apegar também são um pouquinho de saúde e um descanso na loucura. E não é qualquer amor que nos deixa isso. Será que Guimarães Rosa concordaria comigo?

Letícia Cardoso

Um comentário:

Srta. Vihh disse...

Letícia, qualquer pedaço de amor me interessa também. Achei tão lindo o seu texto... beijos