23 de janeiro de 2010

Carta 07




Aquelas vezes que você me levava pra brincar com você no quintal. Você sabia que aquela era a melhor época da minha vida? Você esquecia que eu era menina e só queria brincar de lutinha, carrinho, futebol... e a gente brigava pra caramba. Lembra quando você errou e me deu um soco na boca? Foi a única vez que eu me senti meio "Angelina Jolie".

Lembra do meu primeiro dia na escola? Os nossos intervalos tinham horários diferentes e isso me dava muita raiva porque eu me sentia muito sozinha. Eu lembro quando eu chegava um pouco atrasada e olhava você dentro da classe rodeado de amigos. Foi quando eu percebi o quanto você era carismático e o quanto eu era introspectiva.


Lembra das viagens em família? Eram muitas naquela época, e mais uma vez eu só tinha você. A gente saía pra andar de bicicleta, jogar bola e brincar na piscina. Lembra quando você me jogou na parte funda e eu quase me afoguei? Eu tinha falado pra você que eu não lembrava mais como que era nadar e você me jogou lá pra eu aprender de novo. Mas eu não aprendi, e engoli muita água.

Lembra naquele show que a gente foi junto e o vendedor de água bateu a caixa de madeira do meu olho? Você ficou desesperado quando viu o tanto de sangue que tava saindo. Foi quando eu percebi o quanto eu era importante pra você. E quando você casou, eu senti um orgulho enorme e agradeci a felicidade que a vida lhe deu, porque você tinha conhecido o amor e tava indo lutar por ele, vivendo-o até a última gota.

E eu acho que foi por sua causa sabe? Porque nos meus 12 ou 13 anos, eu quase não tinha amiga menina. Eu passei a minha infância inteira com você (porque eu só tinha você) e demorei pra descobrir coisas como maquiagens e bonecas. Então, a maioria do amigos que tenho são meninos e lá no fundo, eles me lembram muito você.



Agora, a gente pouco se vê, mas eu entendo. Você tem um futuro pelo qual você tem que lutar e eu também. Mas eu nunca vou esquecer das nossas lembranças, porque eu tive uma infância feliz por sua causa. Eu adorei ter me afogado, ter aprendido a lutar, a jogar futebol e basquete.
Adorei ter parado de falar com todas as meninas da minha sala que achavam você bonito, era irritante todos os dias elas me perguntando sobre você. E adoro os seus abraços, porque você faz eles se eternizarem em mim.

Eu amo você, e me orgulho de tudo que você já fez na vida.
Eu vou estar sempre do seu lado pra tudo, não importa o tempo que passe. Nós mudamos nossos jeitos, crescemos e amadurecemos. Eu deixei de ser um pouco introspectiva, porque eu sempre quis ser como você. Você era meu segundo modelo de herói e isso nunca vai mudar.

Eu vou continuar tendo sempre só você, não importa quem entre ou saia da minha vida, e você continuará tendo sempre a mim.

4 comentários:

Liihs disse...

Que linda carta! *---*
Irmãos são o máximo mesmo!
Adorei muiito!

Letícia Santos disse...

é o meu primo

;P

Mas considero um irmão.
E ele é o máximo ♥

marc. disse...

essa sua série 'cartas' ainda vai me fazer procurar algum livro seu na livraria cultura que NÃO EXISTE!! =O

Maria Fernanda Probst disse...

E adoro os seus abraços, porque você faz eles se eternizarem em mim.

Que lindo esse amor, Let.