7 de janeiro de 2010

Prefiro o risco de se arranhar no caminho

Eu tava pensando se realmente vale a pena ser toda aberta. Deixar entrar qualquer palavra, deixar entrar qualquer pessoa e guardar castelos e estragos por dias .. todo mundo diz que é perigoso ser rápido e colocar no papel e nos meus dias toda a minha devoção por alguém, que é preciso acontecer muitas coisas para se dizer um "eu te amo". Mas o que eu posso fazer? Sou aberta e aprendi desde cedo o quanto é importante deixar as pessoas entrarem e não perder tempo esperando coisas acontecerem pra se dizer algo importante.

As pessoas entram e deixam a sua marca, e isso pode valer até um pouco a pena, mesmo que a marca deixada lateje um pouco de vez em quando.
A verdade é que é mais acolhedor acordar no outro dia sabendo que você viveu tudo, amou tudo e disse o que precisava dizer sem receio e sem esperas.


3 comentários:

Felipe Braga disse...

Parece-me que você também vive em extremos. rs
É o preço e acho que podemos ter orgulho disso.
Força aos amantes! Exagerados? Talves. rs
Gostei da tua reflexão. Dá pra tirar diversas outras através dela.

Beijos.

disse...

Ser assim muitas vezes machuca... mas não ser não é garatia contra a dor.

Prefiro pagar o preço e latejar

Maria Fernanda Probst disse...

Sou como você, amada. Não me detenho dentro de mim e tenho que cantarolar aos quatro ventos um amor — inventado ou não — que me enche os olhos.

"Eu te amo" pode ser escritos de várias formas.

Beijocas